DORI CAYMMI E A ‘HARLEY-DAVIDSON’ – crônica

Outono de 1988. Nessa época, eu ainda morava no Rio de Janeiro, lá no Arpoador. E como era um jovem professor de apenas 27 anos de idade, eu descobrira a paixão pela motocicleta. Por coincidência, a ‘Cagiva-Harley-Davidson’ acabara de ser lançada no mercado brasileiro, com um modelo de 125 cilindradas, quadro alto e um ‘nervoso’ motor de dois tempos. Nossa! Era uma baita moto, que me proporcionou muito prazer durante quase uma década…

Guardo na memória os incríveis passeios que costumava fazer aos domingos de tarde. Bastava o sol baixar um pouco, eu pegava a moto e subia a Vieira Souto em direção ao Leblon. Na sequência, vinha a Delfim Moreira e, ao final dela, eu sempre optava pela Avenida Niemeyer que nos brinda com um visual maravilhoso. Depois, vinha São Conrado e eu tomava a direção da Estrada do Joá, que naquela época era bastante segura. Dali até o topo da Estrada da Pedra Bonita era bem rapidinho, ainda mais naquela moto ‘nervosa’! E o ‘gran finale’, meus amigos, era a subida até o local em que os ‘malucos’ pulavam de asa delta. Céus! ‘adrenalina pura’, isso sim! Eu permanecia ali por horas, apenas observando as pessoas e os voos…

Por ser outono, havia um toque especial: é que as folhas das amendoeiras estavam bem amareladas e começavam a cair dos galhos, proporcionando uma visão espetacular durante o trajeto. Outro detalhe, também extraordinário, é que eu fazia este percurso com um fone de ouvido ligado ao “walkman”. E naquele outono de 1988, adivinhem qual era a fita de minha preferência? Sim! Era o recém-lançado álbum de Dori Caymmi. Meu Deus do Céu, quando eu acelerava a moto e subia o volume de ‘Gabriela’s song’, parecia que eu flutuava nas nuvens. ‘Porto’ era a melodia que eu reservava para a lenta descida de volta. Porquanto ela me remetia ao encantado mundo de ‘Gabriela’, na primeira versão da novela, de 1975, com o grupo vocal MPB4 deslumbrando a todos…

O que posso dizer é que a minha vida sempre esteve atrelada aos Caymmis. De um jeito ou de outro. Sorte a minha!

Publicado por

Carlos Holbein

Professor de química por formação ou "sina" e escritor por "vocação" ou insistência...