“O  BELLA  CIAO, BELLA CIAO…”

 

Devo reconhecer que nessas questões, normalmente, eram Luiz Henrique e Ênio que davam o veredicto. E naquele caso, convenhamos, a sentença proferida por Ênio foi dura e taxativa: “Chau, francamente, isso é um comportamento pequeno-burguês!”

Caramba! Eu nem sabia onde esconder a vergonha. Juro. Mas é o tal negócio: que mal havia em querer comprar aquela calça “Lee” e a camisa “LaCoste”? Só porque eram estrangeiras, minha gente, sempre vão representar ‘símbolos imperialistas’? Além do mais, o importante não seria o nosso pensamento socialista, alinhado às causas comuns?! E mais ainda: porque é que em toda revolução socialista o povo tem que ser miserável, quase indigente, heim?!

O fato é que elas eram lindas, isso sim, e bem superiores à nossa brasileira calça “FarWest” e as camisetas “Hering” que vendiam na “Ki-Lojão” da Rua Uruguaiana. Afinal, era sabido por todos que a loja era a ‘número 1’ em roupas bregas e sem graça… Fazer o quê?!

Pois muito bem. O fato era que os meus argumentos não eram convincentes a ponto de demover os preparados discursos de Luiz Henrique ou de Ênio. Por isso, então, eu acabava acatando os argumentos e ‘orientações’ deles. Sempre. Porém, devo confessar: no fundo, tudo aquilo me deixava à flor da pele. Talvez, até revoltado… Sei lá!

No entanto, vejam vocês a ironia do destino. Não é que a história se encarregou de nos mostrar vários exemplos de supostos ‘libertadores da pátria’? E eles vieram com discursos arrumadinhos: ora declarando-se ‘caçadores de marajás’, ora assumindo o falso ‘nacionalismo’. Vimos no que deu… e no que ainda vai dar!

Agora, que já se passaram quase trinta anos e mundo girou um bocado, nós devemos reconhecer algumas coisas. Em primeiro lugar, é que ‘ideologia’ não tem nada a ver com bom-gosto ou requinte. Tanto é verdade que o amigo Luiz Henrique bebe os melhores vinhos importados e veste ternos de fino trato, sem perder a coerência. Ah! quanto desperdício nós tivemos em nome de supostas causas e sistemas falidos e contraditórios…

Além disso, há outras questões a serem respondidas. Em que lugar da memória ficaram guardados os sonhos de sociedades ‘mais justas e equânimes’? E o que foi feito das nossas ‘bandeiras’ e dos nossos líderes socialistas? Afora a queda daquele ‘emblemático’ muro, o que mais ruiu além dos nossos sonhos, esperanças e utopias, meus amigos?!

 

ALTAIR

 

Verdade é que nem sempre a vida é justa. Muitas vezes, devemos reconhecer, o destino ‘sacaneia’ algumas pessoas e põe no chão criaturas que, no fundo, são boas. Pois saibam, então: Altair foi uma dessas ‘vítimas’. Então, para afastar qualquer dúvida, eu peço que me deixem contar como tudo aconteceu.

Nós estávamos no início dos anos 60. Segundo os entendimentos, era o tempo em que havia muita inocência pairando no ar. Mas era também o período em que começaram a aflorar os ‘maus espíritos’. Ao menos, era o que dizia D. Maria de Piabetá, a nossa fiel cozinheira. Muito embora fosse carioca, ela mais parecia uma daquelas baianas que vendem acarajé no Pelourinho, em Salvador. Ah, meus amigos, D. Maria parecia uma verdadeira ‘Mãe de Santo’, isto sim, pois adivinhava tudo. Ela trabalhou em nossa casa, com profunda dedicação, por mais de vinte anos, preparando toda a sorte de quitutes e guloseimas. Que criatura maravilhosa foi aquela mulher! O que mais impressionava a todos que a conheceram era o constante sorriso bondoso, estampado nas largas bochechas para quem quisesse apreciar. E posso assegurar a vocês que ela representou o que de melhor eu tive na infância distante. Aliás, Dona Maria chegava a nossa casa bem antes das sete da manhã, mesmo morando em outro município: Piabetá, próximo a Magé, no Rio de Janeiro. Muito embora já tenham se passado mais de cinquenta anos desde que aprendi a saborear as ‘especiarias’ de Dona Maria, o seu rosto, no entanto, eu tenho dificuldades para resgatar na memória. Já os aromas que ela esparramou ao meu redor, ah, eu jamais esqueci…

Abençoada seja, minha querida ‘Dona Maria’!

Mas o que eu estava querendo contar para vocês era sobre o Altair. Na época, eu devia ter uns sete ou oito anos de idade e a garagem do nosso prédio era repleta de esconderijos perfeitos para crianças com imaginação. E a turma de meninos do ‘Edifício Esperanto’ aprontava um bocado. Com isso, seu Severino, o porteiro do prédio, sofria em nossas mãos; ora era um vidro quebrado e barulhos de crianças correndo em disparada, ora era um morador aborrecido porque ‘alguém’ havia apertado todos os botões, fazendo o elevador parar em andar por andar.

Lembro que nessa época nós estávamos querendo abrir um ‘clubinho’ no saguão de entrada, porém, não conseguíamos adesão dos proprietários dos apartamentos do prédio. Embora fizéssemos forte campanha junto aos moradores, ainda assim, os resultados eram pífios.

Foi quando o Ênio, um brilhante colega da turma, chegou e, ao perceber o nosso desespero, argumentou: não são os pais que vão definir os rumos da votação, pessoal. São os filhos, nossos colegas, isso sim!

Eureka!! Ênio sempre tinha uma solução inusitada e, invariavelmente, brilhante. Algumas vezes, é bom que se diga, isso causava irritação até na gente, pois morríamos de inveja de sua alta criatividade.

Sabendo disso, ele se sentou na cisterna da garagem e começou a fazer desenhos em várias folhas. Quando terminou, Ênio pediu que afixássemos os cartazes no elevador, no “hall” de entrada, nas lixeiras e em todos os lugares de grande circulação. Eram desenhos de crianças brincando. Crianças com semblantes felizes. Moral da história: no dia marcado para a votação, houve alto comparecimento dos pais e fortíssima adesão à nossa reivindicação… Ganhamos de lavada, com 78% dos votos favoráveis. Agora, nós tínhamos um espaço só nosso: com mesa de totó, pingue-pongue e futebol de botão. Com isso, Ênio se tornou o nosso verdadeiro herói!

Sim, o certo é que eu estava querendo lembrar algo sobre o Altair. Pois bem. Para começo de conversa, Altair era o ‘faz-tudo’ do prédio. De encanador a pintor ou de marceneiro a eletricista, o que sei é que ele ‘jogava nas onze’. Era um negro alto e forte, dono do sorriso mais branco que eu já vi na vida. Do mesmo modo em que era corpulento, também era simpático e educado com todos. Uma verdadeira ‘dama’, como diziam os nossos vizinhos.

Eu tinha uma especial simpatia pelo Altair, porquanto ele sempre atendia os meus pedidos: fosse para preparar o ‘cerol’ para a linha da pipa ou até mesmo para construir um carrinho de rolimã e descer em disparada a íngreme ladeira da Zamenhof. Era com ele que eu contava!

Contudo, como eu disse no início da história, o diabo é que a vida nem sempre é justa. Pois não é que o coitado do Altair se casou com uma moça, da Baixada Fluminense, e ela infernizou a vida do pobre homem?! Pois é. Nunca se soube os detalhes. Sabíamos apenas que ele andava cabisbaixo, preferindo nem voltar para casa após os serviços no prédio.

Daí até se entregar à bebida, foi só questão de tempo, aliás, pouco tempo. Altair já não aparecia para efetuar os serviços contratados. E não tratava os moradores com a costumeira elegância. Sim! Foi muito triste acompanhar aquilo tudo, meus amigos. Afinal, observávamos a ‘derrocada’ de um homem de bem. Abruptamente. E quem procurasse pelo Altair, bastava ir à esquina de nosso edifício, bem debaixo da marquise, e veria um verdadeiro ‘trapo humano’, sujo e malcheiroso…

Até que um dia apareceu no tortuoso caminho do Altair um daqueles ‘maus espíritos’ que a D. Maria de Piabetá previra. Ele atendia pelo apelido de “Pará”. Céus! Ele era o ‘cão chupando manga’. Um sujeito perverso, capaz de terríveis maldades. Como diziam os os frequentadores da esquina da Zamenhof, ele era um tremendo ‘fio desencapado’!

Assim, ao perceber a decadência de Altair, Pará começou a insidiosa perseguição, fazendo toda a sorte de provocações. Que iam da obrigação de fazê-lo beber um copo cheio de cachaça, aos chutes para acordar o pobre coitado debaixo da marquise, impondo um tremendo martírio. Algo muito triste…

Lembro até que eu, Luiz Henrique, Ênio e Edinho nos mobilizamos para buscar ajuda nos apartamentos do prédio e pouco interesse houve dos moradores em socorrer o pobre Altair. Uma baita injustiça!

Três meses se passaram sem notícias do nosso ‘faz-tudo’. O que aconteceu de fato, ninguém ficou sabendo. Soubemos apenas, tempos depois, que o enterro ocorrera no Cemitério do Caju, numa cova destinada aos ‘indigentes’. E isso, meus amigos, era tudo que ele nunca fora: indigente.

Merda de vida!

Nota do autor: Ênio faleceu em 1974. Luiz Henrique tornou-se um respeitável e competente auditor da Receita Federal. Edinho transformou-se em um bem-sucedido empresário no ramo da limpeza. E ‘Pará’, após três mandatos consecutivos na Assembleia Legislativa, acabou sendo acusado de fazer parte de grupos de milícias. Afastado, foi submetido a julgamento, sendo condenado a vinte anos de prisão. Atualmente, cumpre sentença em regime semiaberto por conta de outros delitos.

 

* Texto dedicado a Luiz Henrique, Ênio (in memoriam) e Edinho, os ‘mosqueteiros’ da querida Zamenhof: porque também somos o que perdemos!

LuizHenrique

(Na foto: eu e Luiz Henrique, após sessenta anos de amizade )

O BARCO NAUFRAGADO

 

Esta semana eu revi o filme “Despedida em Las Vegas”, de Mike Figgis. Aliás, rever filmes é um hábito que eu sempre cultivei, quem sabe com a esperança de que consiga enxergar àquilo que as minhas emoções ainda não haviam percebido?!

O que sei dizer é que “Despedida em Las Vegas” é um desses filmes impiedosos, que revelam as nossas ‘doenças’, sem cerimônia, à medida que nos identificamos com cada um dos personagens, todos eles. Ainda assim (ou, quem sabe, por isso mesmo), nós preferimos ‘varrer os problemas para debaixo do tapete’. Cinicamente. Como se tal comportamento resolvesse alguma coisa…

Pois é, meus amigos. Nessas horas, eu lembro que os dramas são sempre individuais e que a dor – incômoda parceira – é solitária e particular. Somente a criatura envolvida no processo pode sentir o real espectro da angústia. Lá, isso é verdade!

Quando leio Cecília Meireles, por exemplo, vejo alguém derramar em poesia a imensa dor de se ver envelhecendo: “Eu não tinha este rosto de hoje / assim calmo, assim triste, assim magro / nem estes olhos vazios / nem o lábio amargo. / Eu não tinha este coração que nem se mostra… / Eu não dei por esta mudança / tão simples, tão certa, tão fácil / Em que espelho ficou perdida a minha face?”

De fato, não é preciso muita acuidade para perceber que somos pessoas diferentes. Se pensarmos bem, é essa pluralidade que nos torna tão interessantes. Além disso, mais do que diferentes, somos contraditórios, assim como contraditória é a vida. E a vida de “Ben”, personagem de Nicolas Cage, com certeza não foi bem tratada por ele ou pelo destino. Uma pena! Contudo, isso não faz dele um perdedor. Quando muito, mais uma vítima… Sim! Muitas vezes nós somos vítimas de processos que acontecem à nossa revelia: seja por circunstância, seja por inocência ou até mesmo ignorância. Também é verdade que, de uma forma ou de outra, nós ‘ajudamos’ esses boicotes. Ademais, já se disse por aí que nessa vida ninguém é absolutamente santo ou carrasco. No fim das contas, somos todos portadores de impulsos generosos e destrutivos. E, cá entre nós, essa é apenas mais uma contradição humana. Tão somente!

Na longa história do homem, muitas injustiças já aconteceram. Ainda que elas sejam encaradas com ‘repúdio’, não cessarão por aí. Seguramente, muitas outras virão. Paciência! O que é preciso, então, é aprender como drená-las. E assim, ao conquistar tal ‘sabedoria’, poderemos dar prosseguimento às belezas da vida. Quem sabe se não é essa a nossa ‘seleção natural’? Isto porque somente alguns de nós terão êxito e saberão colher o ‘néctar’ da vida. Os outros, ah!, os outros irão ‘tropeçar’ e pagarão um alto preço, onde a moeda contábil raramente é o dinheiro! O nosso querido Manuel Bandeira pode lá ter sofrido muitas dores, que alimentam os poetas, mas, apesar disso, ele exclamava com orgulho: “Uns tomam éter, outros cocaína. / Eu já tomei tristeza, hoje tomo alegria. / Tenho todos os motivos menos um de ser triste”.

O filme Despedida em Las Vegas não pode ser visto apenas como a ‘crônica de uma morte anunciada’. De um modo irônico e cruel, ele acaba revelando uma das maiores contradições humanas. É que ao se relacionar com a morte de ‘Bem’, somente assim ‘Sera’, personagem de Elizabeth Shue, consegue retomar a vida. Porquanto ela consegue recuperar a autoestima que fora extraviada nos caminhos do mundo.

O que sei é que se por um lado o filme nos deprime com um enredo massacrante, por outro, ele nos oferta profundas reflexões, trazidas à baila por conta dessa linda história de amor. E desse modo, ele nos possibilita a aproximação a algumas questões que há tempo nos afligem? São perguntas que aguardam respostas e que, de alguma maneira, um dia precisaremos atender. Por sinal, foi Nietzsche que, diante do absurdo da vida e do mundo, escreveu: “o absurdo de uma coisa não é uma razão contra a sua existência. É mais uma condição!”

E agora, minha gente?! Talvez a resposta para tudo isso esteja, simplesmente, no verso cantado por Caetano Veloso: “…cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é!”

 

Las Vegas

A CULPA É DO 43

 

Eu estava arrumando a minha estante, aproveitando o tal do ‘confinamento social’ e não é que eu dei de cara com esse CD “Steamin’ with The Miles Davis Quintet”. Caramba… eu nem lembrava mais desse álbum. Isto porque ele fazia parte de uma remessa de CDs usados que adquiri no ano passado. De fato, na época, como eu estava envolvido com a finalização do segundo livro de crônicas, não tive tempo para apreciar os discos.
Contudo, o que importa é que ao limpar a estante eu vislumbrei o CD de Miles Davis e seu fabuloso quinteto. Na verdade, devo confessar, esse foi um daqueles discos que eu nem quis ouvir na casa do Flávio, pois achei que era ‘compra certeira’. Por isso, preferi me debruçar na análise dos outros álbuns. E ao guardá-lo na estante, eu sabia que mais dia, menos dia ouviria o CD e me deliciaria. Bem… esse dia chegou: hoje!
Por conta disso, eu me sentei na poltrona do escritório e liguei o computador. Como agora ele dispõe de uma abençoada ‘SSD’ para dar partida, tudo ocorre muito rápido e só deu tempo de pegar a garrafa de “43”, o meu licor preferido. Ah! Benditos espanhóis!
O que sei dizer, minha gente, é que eu resolvi escutar o disco pelo final, na sexta faixa, que é um clássico do jazz: “When I Fall in Love”. Céus!, foi um verdadeiro delírio. Miles Davis, em estado de graça, derrama todo o lirismo que a melodia requisita. E além do trompete de Miles, temos também o piano de Red Garland acolhendo discretamente a melodia, como um bom mestre de cerimônia. A quinta faixa, “Well, You Needn’t”, é bem ‘nervosa’ e trabalha o limite de cada músico. Joe Jones, na bateria, por exemplo, teve que se virar um bocado para ditar o ritmo. Obrigando Coltrane a soltar o fraseado, talvez, de modo inquieto e sobressaltado demais…
Já a quarta faixa, “Diane”, foi o intervalo que eu necessitava para a segunda dose do licor. Ufa… Já mais relaxado na poltrona, ela me lembrou do Miles Davis de Paris, na segunda metade dos anos 50. “Não toque o que está lá, e sim o que não está!”, conclamava Miles ao seu quinteto. Creio que deu certo, uma vez que Coltrane, Paul Chambers, Joe Jones e Red Garland entenderam bem direitinho o recado dado pelo chefe!
Quando os primeiros acordes da terceira faixa, “Something I Dreamed Last Night”, foram soltos pelo suave trompete de Miles Davis, eles ecoaram livremente pelo escritório. Porém, reconheço, eu já estava na terceira dose do “43” e o mundo ao meu redor se mostrava leve e solto. Coisa linda!
A partir daí eu já não lembrava mais do vírus e nem do confinamento. Só pensava nas águas claras de Maragogi, em Alagoas. Debaixo daquela barraca, deitado na espreguiçadeira, a única coisa que eu percebia era o inebriante cheiro de camarão vindo da cozinha do bar. O que era aquilo, meus amigos?!
Foi quando veio a segunda faixa, “Salt Peanuts”. Chegou ‘atropelando geral’. Eu não tive nem tempo de pegar a bandeja de queijos, cortados em cubos. Afinal, Joe Jones estava ‘quebrando o barraco’, com um solo de mais de dois minutos de bateria! E eu, já sem fôlego, preferi encerrar a audição e deixar a primeira faixa para outro dia…
Afinal, eu já estava dormindo na rede cearense, talvez, sonhando com as águas verdes e cristalinas de Maragogi!