Memórias: “Somos apenas passageiros…”

Eu estava pensando sobre as tantas viagens que já fiz e as muitas que ainda quero fazer. Inevitavelmente, ocorreram-me algumas dúvidas: o que exatamente que eu estou a procurar? O que pretendo encontrar? E afinal, qual a importância dessas viagens?
Bem… verdade é que eu não precisei de muito tempo para responder esses questionamentos. Porquanto, no fundo, creio, é um processo voluntário e consciente. Sim, meus amigos, eu acredito que a minha busca esteja amparada no prazer que tenho em “observar” os outros. Sabe como é? Ao me aproximar deles, respeitando o espaço e o tempo de cada um, minha intenção é tão somente captar a “visão de mundo” dessas maravilhosas criaturas. E o que a gente aprende com elas, por certo, não está no gibi.

Quando eu era bem jovem e comecei a perceber que viajar trazia imensa satisfação, acabei estabelecendo um pacto com a vida: eu iria acolher essas preciosas “observações” que as viagens propiciam e, em contrapartida, iria deixar em cada lugar um registro pessoal do meu contentamento.

Assim aconteceu, quando tinha 15 anos e fiz a minha primeira viagem de “mochileiro” do Rio de Janeiro para Florianópolis, para conhecer um tio ainda distante e estranho para mim. Céus! Foram quinze dias na casa do tio Holdemar, médico e escritor, que me “abduziu” completamente, apresentando-me a um universo ainda desconhecido: a literatura e o jazz! E imediatamente eu passei a amar esse belíssimo universo, minha gente. Obrigado, meu tio!

Poucos anos depois, eu novamente botei o pé na estrada e parti para Buenos Aires, de ônibus, encarando 48 horas de viagem, sozinho no inverno. Ao chegar na capital portenha, eu me encantei por “Mercedes Sosa”, apaixonei-me pelo tango estilizado de Astor Piazzolla e conheci uma família de suíços que moravam em um simpático subúrbio de Buenos Aires, hoje município, chamado “Ramos Mejia”. Naquela bela casa moravam três pessoas: Dona Arlete, seu marido Emílio, um chefe- confeiteiro, e a linda filha Heide, universitária de engenharia. Eu confesso a vocês: poucas vezes na vida eu tinha visto uma família tão harmoniosa quanto aquela. Parecia uma dessas famílias saídas das telas do cinema, que nos comovem pelo intenso amor compartilhado entre eles…

(continua amanhã)

Ponte HL

confeitaria

(Fotos: Ponte Hercílio Luz, em Floripa de 1970 e a Confeitaria Moritz, em Retiro, Buenos Aires).

 

Literatura: crônica “Envelhecer”.

Sei que é difícil admitir. Por isso, tenho sofrido silenciosamente. Sem dividir a preocupação com quem quer seja. No entanto, chega uma hora que a coisa arrebenta. Daí em diante, não tem mais volta, minha gente. Mas calma aí que eu explico tudo.
É que eu fui professor por mais de três décadas e não me recordo de ter passado por tamanho “constrangimento”, mesmo em situações complicadas ou adversas que sempre acontecem aos professores. Feito aquela que vivi em 1986, no Colégio São Pedro, no Rio de Janeiro. Eu estava dando minha aula na maior tranquilidade, quando um estudante soltou um enorme grito no meio da sala: “independência ou morte!”. Vocês podem imaginar o susto que levei. Imediatamente, virei para a turma e perguntei ao grupo: quem foi que deu esse grito? Aí, o sem-vergonha do aluno respondeu sorrindo: “professor, francamente! Não acredito que o senhor não saiba que foi D. Pedro I…”

Bem… paciência… Melhor deixar pra lá!

Mas o que eu queria dizer, meus amigos, é que o processo de envelhecimento é duro e aviltante. Impiedoso, até. Por mais que a pessoa tenha “fair play” e muita sabedoria emocional para aceitar o envelhecimento, convenhamos, tem vezes que a coisa bate fundo. Talvez seja o meu caso… Aliás, se pensarmos bem, é fácil observar os primeiros sinais da velhice. Começam pela dificuldade de enxergar aquela placa de rua que outrora parecia ter letras bem maiores. E insistem em nos mostrar a flagrante falta de fôlego ao brincar com o neto que exige de nós a rapidez não mais presente. Tudo isso sem falar, é claro, daquelas famosas dores que proliferam aqui e acolá em nossas articulações… Céus, o que que é isso, Meu Deus?!

Sendo assim, meus amigos, eu peço a vocês um pouco mais de paciência comigo. Afinal, conforme é sabido, trata-se de um ciclo inevitável e não há nada que possa impedir o processo. Para amenizar a “lenta descida”, dizem os sábios, o melhor jeito é desenvolver o bom humor. Sim! De modo suficiente para lidar com o percurso, não é verdade? Então, “Eureka”! Que assim seja!

(Fotos: eu e Gabriel, duas vezes. Na terceira, eu, Gabriel e João Pedro, meu adotado neto)

envelhecer1

envelhecer2

envelhecer3

Disco: “Take Love Easy”, com Ella Fitzgerald e Joe Pass.

Se há algo que me espanta nessa vida é ver a facilidade que algumas criaturas têm para determinadas atividades. E quando eu digo facilidade, meus amigos, refiro-me muito mais àquela capacidade de fazer “o belo” acontecer, sem muito esforço. Ou seja, construir verdadeiras obras-primas de modo simples e natural. Como podem?!

Confesso a vocês: no fundo, eu morro de inveja dessa gente. Porquanto eles produzem preciosidades, aos olhos de todos, mas que aparentemente parecem tão banais, tão corriqueiras…
Só para ilustrar, eu trago aqui o exemplo do disco da Ella Fitzgerald e do Joe Pass, intitulado “Take Love Easy”. Meu Deus do Céu, como pode alguém cantar de modo tão simples e, ao mesmo tempo, tão arrebatador?! Sem falar que o nosso Joe Pass nos passa a sensação que o violão é o mais fácil dos instrumentos, tal a fluência com que ele executa os brilhantes acompanhamentos. Só ouvindo!

E ao ouvir novamente o CD neste domingo chuvoso, eu comecei a me dar conta de que isso é bem maior do que parece. Eu explico.

Vocês já perceberam que todas as vezes que a gente tentar “sofisticar” qualquer coisa que seja, ela acaba perdendo a graça, a naturalidade e até mesmo a beleza? Pois é. Isso se aplica a quase tudo ao nosso redor. É que a gente possui uma irremediável tendência de tornar as coisas mais complicadas. De querer, muitas vezes, “reinventar a roda”, buscando explicações mirabolantes para aquilo que poderia ser apenas simples e comum. Tão somente.
Aliás, já faz um bom tempinho que um matemático greco, de nome Arquimedes, precisou empreender profundas elucubrações para resolver um complexo dilema apresentado pelo rei. Segundo reza a lenda, o rei Hierão queria saber se uma coroa encomendada ao ourives era de ouro puro ou se haveria material de qualidade inferior na sua composição. O competente Arquimedes sabia que para isso deveria determinar a densidade da coroa e comparar com a densidade do ouro. A questão se complicava à medida que para medir o volume, seria necessário derreter a dita cuja. Arquimedes só descobriu a solução quando entrou numa banheira com água e, então, observou que o nível da água subia quando ele entrava. Com isso ele concluiu que para medir o volume da coroa bastava mergulhar a coroa em água e calcular o volume de água deslocado, que deveria ser equivalente. Segundo a história, ele saiu nu, correndo pelas ruas e gritando eufórico: “Eureka! Eureka!” (Achei! Achei!). Assim, foi criado o famoso “Princípio de Arquimedes”, como ficou conhecida a “solução” descoberta pelo grande cientista grego.

Moral da história: já que não somos Arquimedes, nós não precisamos ficar nus para provar os nossos valores. Ao mesmo tempo, creio que vale a pena nos desnudarmos de alguns bem “desnecessários”… Lá, isso sim!

https://www.youtube.com/watch?v=9Fx5mNCqMUc

ella2

Disco: “The Bessie Smith Songbook”, com Dinah Washington.

Esta vida é mesmo intrigante, meus amigos. Tem vezes que eu chego a acreditar que a gente já vem com o passaporte carimbado para toda e qualquer “viagem”. Não importa se desejamos isso ou aquilo. No fundo, o que vale mesmo é a escolha do “homem” lá de cima…
Então, vejamos. Vocês já se imaginaram vivendo um outro tipo de vida, bem diferente das que possuem? Pois é… eu pensei nisso outro dia. E me fiz a seguinte pergunta: se não tivesse sido professor de química, o que gostaria de ser? É claro, minha gente, que fiquei engasgado, apelando até para aquele famigerado “bem…” que parece nunca acabar. Mas, no fim, veio a resposta: ah, eu desejaria ser músico, isso sim! Pouco importa que passaria a vida na maior “pindaíba”, pois músico é raça que está sempre “fuzilado”. Paciência, professor inda é pior! São as injustiças desse mundo… Fazer o quê?! Pelo menos, no meu imaginário, eu tocaria feliz o meu trompete ou saxofone, indiferente aos problemas da vida. Sem estar nem aí para o mundo! Com sorte, quem sabe, eu faria parte do grupo de músicos que acompanhou a fabulosa Dinah Washington no disco “The Bessie Smith songbook”. Ah, minha gente, que moçada infernal! Sabiam tudo! E a grande dama passeando impoluta pelo “blues”, soltando seu inconfundível fraseado. Ouçam “After you’ve gone”, “Me and my gin”, “Jailhouse blues”, “Fine Fat Daddy” e confiram a qualidade da “cozinha”. Só ouvindo para acreditar!

Quanto às demais questões que nos afligem, do tipo “se o mundo tem três dimensões, se o espírito tem nove ou doze categorias”… bem, agora pouco importam. Não acham?!

https://www.youtube.com/watch?v=hBG6cfFs75k

dinahw

Literatura: crônica “Do fundo do baú”.

(AO MEU QUERIDO “CANELAU”, QUE BATEU ASAS E VOOU… VOOU, SIM!)

A verdade é que aquele objeto despertava a minha curiosidade já fazia um bom tempo. Além disso, convenhamos, para uma criança de quatro anos é pedir demais para que ela não mexa em algo tão cobiçado como aquele.

Mesmo assim, devo dizer que resisti por alguns meses, muito mais pelo medo que ele me despertava. Afinal, bastava ouvirmos na casa qualquer grito dele e todos sumiam num abrir e fechar de olhos. Uns se escondiam no banheiro, claro, o lugar mais próximo e que justificava toda e qualquer ação. Os irmãos mais velhos que eu corriam mais depressa e, por isso, eu nunca conseguia alcançar… Sendo assim, vez por outra, os “cascudos” me encontravam pelo caminho. E doíam, lembro bem, doíam!

Por outro lado, como dizem, a “necessidade faz o monge”. Então, com o tempo, eu me especializei em me esconder nos buracos menos prováveis daquela casa. Para a minha sorte, ninguém sabia dos meus “esconderijos prediletos”. Lá, isso não. E asseguro a vocês: foi o que aconteceu naquele dia. Eis o relato:

Eu estava na varanda, extasiado com a linda bicicleta, marca Raleigh, que possuía todos os acessórios que se pode imaginar. De repente, eu ouvi o barulho da enferrujada dobradiça do escritório dele anunciando alguma saída e, por isso, acabei me assustando a ponto de derrubar a “bendita” bicicleta… Céus! E agora?!

Corri o mais rápido que pude e me enfiei naquele baú que ficava na saída do banheiro, no fundo do corredor. Comecei a escutar os passos firmes pisando aquele assoalho e o alarido dos outros declarando-se “inocentes”. E eu ali, bem quietinho, quase sem respirar para não ser ouvido!

Até que adormeci e, horas depois, o baú foi aberto revelando-me para todos. Porém, como eu dormia tão profundamente e estava encharcado de suor, creio, por alguma razão que até hoje desconheço, eu não levei a maior de todas as surras… Ufa! Essa foi por pouco… Muito pouco, minha gente!

bau2

bau1

 

Disco: “Billie’s blues”, com Billie Holiday.

Há quem assegure que o talento extraordinário de um artista anda sempre de braços dados com a loucura ou, no mínimo, com a excentricidade. Dizem até que a capacidade produtiva de o artista está intimamente ligada à dor e ao sofrimento…

Sei não. No fundo, eu sempre desconfio dessas posturas ou teses totalitárias. Até porque, convenhamos, na maioria das vezes elas se mostram reducionistas. Sim, minha gente! Afinal, não se pode julgar a dor alheia, seja ela é certa ou errada, se é justa ou injusta… Nada disso importa, pelo simples fato de não sermos o “outro”. Aliás, foi Blaise Pascal, famoso físico, matemático e filósofo que afirmou que: “O coração tem razões que a própria razão desconhece!” Com isso, não me cabe fazer juízo de valor sobre a vida de quem quer que seja, muito menos ainda de virtuoses, cuja expressão artística deveria ser livre de qualquer cobrança. E quando afirmo isso, meus amigos, não estou compactuando ou endossando as escolhas que eles fizeram. Pelo contrário, lamento profundamente que boa parte da vida artística deles tenha se esvaído por conta dessas escolhas… Porém, esse foi um caminho que “eles” elegeram, independente de todo e qualquer repúdio que eu possa externar.

Billie Holiday foi outra incrível criatura que sofreu duramente com os problemas das drogas e experimentou um declínio agonizante. De algum modo, todos nós perdemos muito do seu talento, pois ela nos deixou precocemente, em 1959, com apenas 45 anos de vida. Contudo, devo reconhecer que ao observar o seu passado e a sua trajetória de vida, eu consigo compreender uma alma conflitada como a dela. De fato, ela possuía muitas razões para se sentir desestruturada e encontrou pela frente um destino que foi “padrasto”, deixando marcas da infância aviltada…

https://www.youtube.com/watch?v=gaQf_oVz80k

billieh

Disco: “The Last Great Concert: My Favourite Songs”, com Chet Baker.

Chet Baker gravou o seu último disco, intitulado “The Last Great Concert: My Favourite Songs”, em abril de 1988. Todas as canções foram gravadas do seu último concerto. Contudo, ironicamente, foram consideradas como as músicas do cisne, numa alusão ao balé “A morte do Cisne”, que o compositor francês Camille Saint-Saëns compôs em 1886. O curto balé foi criado pelo coreógrafo e bailarino russo Mikhail Fokine, a pedido da bailarina, também russa, Anna Pavlova e teve a sua estreia em 1905. A ironia é que o referido balé representa a trágica agonia de um cisne ferido de morte em seus últimos momentos.

É recorrente a afirmativa que “a arte imita a vida”. Algumas vezes, é bem verdade, ocorre o inverso e a vida acaba imitando a arte. E pelo sim ou pelo não, o que se sabe é que Chet Baker morreu apenas duas semanas após aquela memorável apresentação…

Diferentemente do disco, o repertório do show é aberto com a consagrada “My funny Valentine”. E o que se observa é um Chet Baker em estado de graça, à medida que percebemos uma melancolia jamais alcançada em outras apresentações ao longo de sua tortuosa carreira… Estaria ele pressentindo algo a mais? Estaria ele oferecendo aquela melodia como uma despedida do público que tanto o idolatrou? Sei não, minha gente. É muito difícil afirmar qualquer coisa dessa natureza. Seria quase leviano. Contudo, o que sei dizer é que de algum modo, todos nós ficamos órfãos após a inexplicável queda da varanda do hotel de Amsterdam.

A vida turbulenta que Chet Baker levou é bastante conhecida por todos. Foi a vida que ele escolheu e que se jogou nela feito um “kamikaze”. Eu lamento profundamente essas transloucadas escolhas, pois foi o maior de todos os músicos do jazz. Foi sublime!

O legado que ele nos deixou é extraordinário e está aí para o deleite de todos. Sim! A todos que se deixam emocionar. Afinal, como declarava a canção, “I Fall in Love Too Easily”, quem consegue ouvir Chet e não se apaixona tão facilmente?!

https://www.youtube.com/watch?v=nAylz2iYnmI

chetb