Sobre “Poltrona Especial”, de Carlos Holbein Antunes de Menezes

Espaço de entretenimento, com crônicas autorais sobre Literatura, Cinema e o Jazz.

Nas crônicas há um aspecto bem marcado: opto sempre pela primeira pessoa do singular. Porquanto é mais íntimo e convidativo. Com isso, quebra-se o constrangimento, estabelece-se a tácita cumplicidade e o “rapto” é concedido afinal.

As crônicas sobre os filmes pretendem desencadear no leitor alguns desejos. De modo óbvio, o de assistir ao filme. E logo a seguir, o de refletir sobre o “em volta” dele. Isso porque as crônicas raramente falam sobre o filme de forma direta. Muito ao contrário, são os filmes que pegam carona no texto, como pano de fundo.

Os artigos sobre jazz trazem a mesma intenção. Muito embora o foco seja outro, a linguagem permanece semelhante: convidar o leitor a continuar a “viagem”. Sempre.

De certo modo, o escritor tem a obrigação de seduzir o leitor. Primeiro para que o leia. Depois, para que tome gosto pela leitura. Mas, acima de tudo, para que se sinta tentado a prosseguir nesse maravilhoso caminho.

Um abraço a todos e boa diversão.