ANJOS, SOPROS E CORNETAS – PARTE 1

 

“Há noites em que os músicos tocam tão bem, individual e coletivamente, que parecem ter simultaneamente uma experiência fora do corpo. Em 12 de fevereiro de 1964, no Lincoln Center’s Philharmonic Hall, em Nova York, foi uma daquelas abençoadas noites em que o grande quinteto do trompetista Miles Davis tocou com uma beleza incandescente, mesmo para um conjunto tão brilhante quanto o dele…”

Pois é, meus amigos… Essa é a primeira parte do texto que vem escrito na contracapa do disco “My Funny Valentine”, de Miles Davis. Lançado em 1965, o disco original saiu pela Legacy/Columbia e, para nossa sorte, ele atravessou mais de cinco décadas com justo reconhecimento pelos amantes do jazz. Afinal, é uma dessas preciosidades que deveriam passar de geração em geração com o selo de “tesouro” ou “raridade”.

E não é que eu estava arrumando as prateleiras da minha nova estante para CDs e LPs e bati os olhos neste disco. Meu Deus do Céu, que alegria! Que coisa linda foi ouvir o disco mais uma vez…

Para que você, leitor amigo, tenha ideia do que foi aquele encontro memorável, saiba que o quinteto era formado por Miles Davis no trompete, George Coleman no sax tenor, Ron Carter no contrabaixo, o mágico Herbie Hancock no piano e o fenômeno da bateria, Tony Williams, com apenas 18 anos!

O que sei dizer é que a interpretação alcançada pelo quinteto em “My funny Valentine” revela de modo definitivo como músicos de alta qualidade podem nos conduzir “para fora do corpo” quando estão sob o domínio do “encantamento”. Tudo isso, é claro, só acontece quando nos permitimos efetuar esta ‘abduzida’ viagem. No fundo, creio, são os nossos verdadeiros anjos a nos guiar por caminhos celestiais!