Testemunho: quando a nossa voz sai por outra garganta…

Se há uma coisa fabulosa nessa vida, convenhamos, é quando a gente se sente acolhido integralmente pelo texto de outra pessoa. Caramba! É como se ela respondesse por todos os nossos anseios, dúvidas ou indignações.

Ontem eu fui contemplado, creio. Saiu o meu número…  e ele tinha nome e sobrenome: Martha Medeiros!

Portanto, eu publicarei aqui o belíssimo texto que ela nos presenteou. Vale a pena ler…

“Escrevi este texto na segunda-feira passada. Se nada de anormal ocorreu nos seis dias que antecederam sua publicação, é possível que neste domingo estejamos elegendo um novo presidente, ou a dupla que irá para o segundo turno das eleições. Em qualquer dos casos, metade do país está prestes a entrar em luto agora, ou no máximo em três semanas.

O luto, dizem especialistas, passa por cinco fases. A primeira delas é a negação, que é quando a gente desconecta da realidade e não admite o ocorrido – uma defesa psíquica contra a dor. Um dos candidatos, curiosamente, até já fez seu ensaio de negação, questionando a credibilidade das urnas eletrônicas: se ele ganhar, é porque as urnas são confiáveis; se não ganhar, é porque foram adulteradas. O raciocínio lógico de um
menino de três anos.

Negar o resultado é perda de tempo. O país precisa continuar a andar, mesmo que aos trancos. Que a metade dos brasileiros em luto passe logo para a segunda fase: a raiva.

A sensação de injustiça embaça tudo e a revolta é natural. Perder para um candidato que defende o oposto do que você acredita: como suportar? A raiva é a fase em que o enlutado faz besteiras, como quebrar tudo pela frente, sem contabilizar prejuízos e sem perceber a inutilidade de seu descontrole. Já tenho minha estratégia para o caso de estar no lado perdedor: abandonarei as redes sociais por uns dias, até que chegue a terceira etapa, a barganha consigo mesmo.

Aconteceu, não aconteceu? Então que se extraia algum benefício disso. Agora há tempo de sobra para refletir, para se tornar um cidadão mais atuante politicamente, para examinar as questões sem inflamar-se tanto, enfim, é uma ondinha otimista e necessária, ainda que dure pouco.

A quarta fase já bate à porta, implacável: a depressão. Quatro anos sendo governados por alguém em quem a gente não aposta um níquel, um sujeito que vai na contramão dos nossos ideais, que não nos representa de jeito nenhum. Pancada dura. Vontade de nem sair da cama para não ter que assistir ao estrago. A tristeza é profunda pelo fim do combustível essencial, a esperança. Resta contar os dias para que a quinta fase do luto se instale de uma vez: a bendita e inevitável aceitação da perda.

No fim das contas, política é conciliação. Com sorte, o estrago não será tão grande, lideranças da sociedade tentarão evitar inconsequências. Temos um verão inteiro pela frente, os ânimos tendem a acalmar e um mergulho no mar sempre ajuda. Vá que o seu time ganhe o Brasileirão para compensar, vá que o amor e a arte substituam o desencanto com a política, vá que a democracia resista bravamente e os outros sonhos que a gente ainda tem se realizem. Hora de reorganizar os pensamentos, fazer novos planos e confiar na velha máxima: a vida continua, caramba, a vida continua.”

( Martha Medeiros )

Publicado por

Carlos Holbein

Professor de química por formação ou "sina" e escritor por "vocação" ou insistência...