Memórias: a falta que ela nos faz!

Minha mãe, hoje você faria 91 anos de idade. Por certo, seria uma dessas belas “senhoras” que sabem envelhecer com sabedoria, amor e arte. Pudera! Arte nunca lhe faltou. E você deixou um legado maravilhoso, mãe, perpetuando em cada um de nós esse brilho nos olhos e a generosidade que parecia não ter fim…
Oxalá eu tenha adquirido um pouco dessa sua capacidade de ver o mundo com o coração. Isso seria sinal de que eu teria herdado o seu melhor tesouro.
Ainda que eu não tenha me conformado, por inteiro, dessa sua incompreensível partida, ainda assim, eu quero lhe agradecer pelo cuidado com que continua a nos dedicar, zelando por nós.
Ah, devo dizer: seu neto cresceu e está se tornando uma pessoa muito interessante, da qual você, sempre puxa-saco, deve estar se orgulhando. Ele, eu e a Zê sentimos muitas saudades de você. Nosso beijo e o nosso cheirinho…

Publicado por

Carlos Holbein

Professor de química por formação ou "sina" e escritor por "vocação" ou insistência...