Memórias: as armadilhas da vida!

Eu devo dizer que tenho pensado bastante nesse tema nos últimos tempos. É que, vira e mexe, a gente se depara com situações conflitantes ou delicadas. E se pensarmos bem, meus amigos, podemos perceber que nenhum de nós está livre de tais comportamentos.

Sim! Chega a impressionar o número de vezes que plantamos “minas” pela estrada que trilhamos. Sem nos darmos conta de que haveremos de percorrer aquele mesmo caminho pouco tempo depois. Ou seja: somos potencialmente vítimas de nossas próprias “armadilhas”. Pois é…  paciência! Fazer o quê?!

No entanto, ainda que esse processo seja impiedoso, uma vez que é “autoimune”, devemos reconhecer o “talento” que o homem tem em promover boicotes à sua ascensão e ao seu progresso afetivo ou material. Convenhamos: para muitos de nós, essa tendência parece não ter fim. Porquanto reiteradas vezes praticamos gestos e ações autodestrutivas e nem mesmo a lembrança da última ação repetida é capaz de nos dar a devida “percepção”.

É fácil constatar tais tendências em um número significativo de amigos ou colegas. E, com poucas variações nos processos, o observador atento pode até mesmo “antever” os passos desastrosos que efetuamos sem a devida percepção do momento vivido. Ah, minha gente… Isso dói. Dói muito! E o pior de tudo é que, ironicamente, iremos repetir exaustivamente as equivocadas posturas… Como se fosse irrefreável o desejo de chafurdar na lama!

O que eu posso dizer é que comigo não foi diferente. Como tantas outras criaturas, eu também plantei em mim inúmeras “minas”, sem me dar conta de que elas explodiriam a qualquer momento. Como, de fato, assim ocorreu! Por isso, sofri bastante. Sangrei pra valer. Até que um dia eu aceitei que precisava de ajuda. Céus… Talvez fosse o primeiro sinal de minha possível recuperação. Afinal, em algum lugar dentro de mim havia a crença de que eu podia me “restituir” e valia a pena o “risco”…

Foram necessários sete anos de ajuda terapêutica em busca das minhas extraviadas “verdades”. É uma etapa difícil, sem dúvida, pois além de tudo nós nos deparamos com os hábitos e vícios adquiridos no percurso. Até que se possa tornar-se livre das resistências ao tratamento, muita água há de passar por debaixo dessa ponte. Ou melhor, dessa vida!

Contudo, por certo, não é preciso considerar o processo terapêutico como o “outro lado do arco-íris”. Mas a verdade é que ele possibilita a gente enxergar o mundo real de modo mais confortável às nossas emoções. Com sorte, haveremos de reconhecer as “minas” que estão ao nosso redor e, com isso, aumentar a chance de não repetir os mesmos enganos de outrora…

O resto, creio, fica por conta do destino de cada um. Posso, ao menos, desejar muita sorte, determinação e um universo de possibilidades novas aos amigos que permitirem essa chance…

Que tenhamos dias melhores!

IMG01