Memórias: “Os caminhos dessa vida.”

Foram muitos os caminhos que atravessei em busca de uma vida serena, de conforto emocional ou até mesmo de realização profissional. E saibam todos que travo essa peleja desde pequeno, quando ainda não compreendia a dimensão de muitas dores…

“Esse é o ofício do homem, querido Chau”, dizia o meu amigo Rodrigo, lá na marquise da rua Zamenhoff, numa esquina do velho Estácio. Sim, talvez seja… Talvez você tenha razão, mestre Rodrigo. O diabo é que as coisas nunca foram fáceis para mim. Nunca se apresentaram de modo simples ou direto. E não foi por falta de alerta, reconheço. Ainda menino na escola, eu já fora avisado por Drummond, quando me disse: “Quando nasci, um anjo torto / desses que vivem na sombra / disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida…”

Porém, por certo, o que eu não sabia é que para deixar de ser “gauche” a vida me cobraria um preço salgado. E nem mesmo o belo samba-canção de Chico Buarque conseguiu me alertar: “Quando nasci veio um anjo safado / O chato dum querubim / E decretou que eu tava predestinado / A ser errado assim. / Já de saída a minha estrada entortou / Mas vou até o fim.”

Pois é, meus amigos, por conta disso, muitas voltas eu tive que dar. Muitos atalhos eu desvendei em busca dos caminhos certos. Isso porque, no fundo, parece que a vida fica nos testando e verificando se somos capazes de seguir em frente. Sempre!

“Ninguém, ninguém vai me segurar / Ninguém há de me fechar / As portas do coração / …Eu não / Eu não vou desesperar / Eu não vou renunciar… / Enquanto eu puder cantar / Enquanto eu puder sorrir…”, foi baseado nesses versos de Chico Buarque que eu iniciei a caminhada. Sorte a minha que entendi, desde cedo, que esse percurso seria assim mesmo: desafiador. Sorte a minha que me “associei” a bons companheiros e, com isso, pude ser salvo inúmeras vezes das artimanhas da vida.

Por tudo isso, então, eu celebro cada um desses amigos, parceiros de tantas jornadas. E saúdo a todos, agradecendo pelos registros deixados…  Abençoados sejam!

 

Viva a vida

(foto: Praia dos Ingleses, em Florianópolis, numa ensolarada manhã de domingo)