Disco: CD “Milestones”, com Miles Davis.

É o seguinte, rapaziada: é claro que todo “gênio” tem direito ao seu dia de “simples mortal”, sem que isso enxovalhe a extraordinária obra criada por ele. Pois saibam, então: eu acredito que seja o caso de Miles Davis nesse CD, “Milestones”. Para muitos amantes do jazz, trata-se de um trabalho feito às pressas, bem abaixo do talento de Miles. Tudo bem. Pode até ser verdade. Mas, ainda assim, é preciso reconhecer o toque refinado do grande trompetista nas seis faixas do álbum. E de mais a mais, os músicos que fizeram parte do referido disco formam uma baita “seleção” e não fariam fiasco em momento algum. Afinal, lá estavam “Cannonball” Adderley, John Coltrane, Paul Chambers e “Philly” Joe Jones. Ufa… Quem pode querer mais?!

O que sei dizer é que em alguns momentos do controvertido disco, principalmente na faixa 4, ouviremos um inigualável show de Coltrane e de Miles, isso sim!
Foi nesse exato momento que eu me lembrei do querido tio Holdemar, um tremendo escritor, que dizia: “meu sobrinho, no Brasil você tem que escrever uma “obra prima” todos os dias para provar que é um bom escritor. Senão, cai na mediocridade!”

Pois é. Então, por conta disso, eu fui ouvir o disco uma vez mais… E somente aí eu me dei conta que o CD é, de fato, muito bom. Aliás, quase uma obra-prima!

https://www.youtube.com/watch?v=k94zDsJ-JMU

 

Miles Davis

Disco: CD “Someday My Prince Will Come”, com Miles Davis.

Era o início dos anos 60 e eu tinha apenas 10 anos. Nunca imaginaria que o sonho de minha irmã mais velha – “Algum dia meu príncipe chegará!” – fosse o tema do disco de Miles Davis. Como eu saberia que um “sonho” pode ser tocado? De fato, pode! Não por qualquer um, tampouco por qualquer instrumento. Somente por ele. Somente pelos lábios “mágicos” de Miles Davis.

A música de Miles foi como a sua vida: estranha, conturbada e contraditória. Mas, antes de tudo, extraordinária. Lá, isso sim!

Seguramente, ele foi o músico mais reverenciado da história do jazz. O mais criativo e o mais “abusado” também, pois até de costas ele já tocou para plateias atônitas. É verdade… ele foi muitas vezes malcriado e irreverente. Mas, sempre impecável. Miles Davis era assim!

“Someday my prince will come” é o nome do disco e da primeira faixa. É uma verdadeira obra-prima, com direito a participação de Coltrane. Seguem-se “Old Folks”, “Drad-Dog”, “Teo” e o fantástico “hit”, “I thought about you”.

Em sua fase final, Miles Davis fez incursões em outros ritmos. Quem sabe, fosse apenas uma busca por algo mais!? Algo que desse algum sentido à sua vida, que lentamente se esvaía. Um triste momento, devemos reconhecer, para aquele que só merecia aplausos…

https://www.youtube.com/watch?v=kTo9-m1CUZM

MilesDavis_Someday