Disco: CD “Temptation”, de Holly Cole.

Eu passei as merecidas férias do início desse ano no Rio de Janeiro. Aí, sabe como é… visita um… visita outro… e os jantares foram acontecendo. Tudo isto, devo reconhecer, para a desgraça do meu “destrambelhado” colesterol. Paciência… Fazer o quê?!

Mas, o que eu queria dizer é que cada amigo audiófilo tem lá seu estilo na sala de som. A sala do amigo Alexandre Kahtalian, jazzista de carteirinha, deixou-me encantado com a qualidade. Impecável.

Dias depois, ele me telefonou anunciando mudanças. “Carlos, afastei um metro as caixas da parede, troquei os cabos e o som melhorou muito!”.

Animado com a notícia, passei no Shopping da Gávea, comprei este disco da Holly Cole e fui inaugurar o novo som da casa do Alexandre. Ficamos maravilhados com o disco e com o som produzido. Holly canta as canções de Tom Waits de forma impecável. “I don’t wanna grow up” é coisa de outro mundo. Maravilha!

Voltei para a minha querida Floripa e ao chegar em casa, recebi uma nova ligação do Alexandre: “Carlos, agora, sim, encontrei o som perfeito!” E eu, bem curioso, perguntei:“o que você fez?”. De bate-pronto, ele respondeu: “Olha, você não vai acreditar… apenas voltei tudo como antes. Agora, sim, meu amigo, o som ficou deslumbrante!”

https://www.youtube.com/watch?v=pUt2Xg2hu3Q

https://www.youtube.com/watch?v=PGJV6bI77QU

Holly_Cole

 

Cinema: filme “Antes da chuva”, de Milcho Manchevski.

Voltando a conversar sobre filmes marcantes e especiais, o filme de hoje é o maravilhoso “Antes da chuva”. Foi dirigido por Milcho Manchevski e muito ajudado pelos talentosos Rade Serbedzija, Labina Mitevska, Katrin Cartlidge e Grégoire Colin.
Belíssimo. Comovente. Humano. Corajoso. Sei lá mais o quê!

Na construção do enredo, Milcho lançou mão de três histórias de amor que se cruzam, em meio à guerra fratricida na Macedônia. “Palavras” é o título do primeiro episódio, que descreve a dor de Zamira e do jovem monge Kiril (personagem de Grégoire Colin). É quase certo que Zamira (personagem de Labina Mitevska) nunca tenha ouvido falar do nosso querido mestre Cartola. Por isso mesmo, não teve a felicidade de conhecer os maravilhosos versos do grande sambista e poeta. Foi uma pena! Porquanto ela perdeu a oportunidade de se emocionar com a belíssima canção: “Ainda é cedo, amor / Mal começaste a conhecer a vida / Já anuncias a hora da partida / Sem saber mesmo o rumo que irás tomar / Preste atenção, querida / Embora saiba que estás resolvida. / Em cada esquina cai um pouco a tua vida / E em pouco tempo não serás mais o que és. / Ouça-me bem, amor / Preste atenção, o mundo é um moinho / Vai triturar teus sonhos tão mesquinhos / Vai reduzir as ilusões a pó…”

Em “Rostos”, o segundo episódio, surge o “fotógrafo de guerra”, Aleksandar (personagem de Rade Serbedzija). Envolvido numa difícil relação amorosa em Londres, ele não consegue permanecer distante e sofre com os duros acontecimentos desenrolados em seu país. “Imagens” é o terceiro episódio, que tem o pano de fundo no retorno de Aleksandar à sua terra natal, a Macedônia. Ironicamente, neste último episódio, os caminhos de Aleksandar se cruzam com os de Zamira e Kiril, desenhando de forma impiedosa a intolerância presente nos conflitos entre macedônios ortodoxos e muçulmanos albaneses. O retrato da dignidade daquela gente é, enfim, aviltado e revelado…

Sim, meus amigos, “Antes da chuva” é um filme impiedoso. Desafiador. E ao mesmo tempo, delicado. Um filme produzido com a nítida intenção de “impressionar”. E ele consegue!

Ainda bem que podemos fazer pequenas “expiações” enquanto o mundo não se ajuíza. Sorte a nossa que tivemos o querido Cartola para nos consolar e ainda temos, afortunadamente, o poeta Nei Duclós para nos dizer sem medo: “Estamos na mesma fogueira / na mesma lenha / usando a mesma coleira / pulando com a mesma raiva / sofrendo a mesma seca / plantando a mesma semente / esperando com a mesma demência / que ela cresça…”

Antes da chuva