Cinema: quando o “rapto” é permitido!

É sabido que um bom filme é composto por diversos atributos. Para os amantes da sétima arte, por exemplo, de nada adianta ter-se uma bela história para contar sem que haja outros importantes componentes presentes, tais como: enredo, fotografia, texto, roteiro, elenco e por aí vai… O pior de tudo é que ainda assim, muitas vezes, ocorre de se reunir tudo isso mas, faltou dinâmica, sinergia ou coisa que o valha. Moral da história: fazer um bom filme, sem dúvida, é algo extremamente difícil. O que dirá uma “obra-prima”?!

No entanto, para nossa sorte, de quando em quando surge no circuito um desses filmes inesquecíveis. Antológicos. Maravilhosos. E aí, invariavelmente, ao nos debruçarmos para avaliar o produto, em detalhes, veremos que há um pouco de tudo presente na consagrada obra.

Tomemos o exemplo do inesquecível “Cinema Paradiso”. Lembram? Ah, meus amigos, eu devo ter visto este filme uma dezena de vezes… e, em todas, juro, eu me emocionei comovidamente com a história. É que amparado em um elenco primoroso e tomado pela atmosfera criada pela história, bem como pela soberba trilha sonora de Ennio Morricone, o resultado não podia ser outro: uma obra-prima! Confesso a vocês que chorei todas as vezes que assisti ao filme. Pudera! É que Giuseppe Tornatore, como um verdadeiro mago, consegue nos raptar com o seu encantado enredo, do início ao fim. De tal modo que, ao final da película, ninguém escapa ileso. E o que nos resta, minha gente, é tão somente “reverenciar” o talento do grande gênio!

Portanto, insisto em declarar: sorte a nossa de existirem incríveis criaturas produzindo verdadeiras obras-primas. Desse modo, nós podemos fazer certas “expiações” tomando emprestado um filme aqui e outro acolá. Tudo isso, é claro, com o “tácito consentimento” desses fabulosos cineastas.

Abençoados sejam!

Tempos1
Tempos  Modernos
Tempos2
Cinema  Paradiso
Tempos3
E  o  Tempo  Levou.

Publicado por

Carlos Holbein

Professor de química por formação ou "sina" e escritor por "vocação" ou insistência...