Literatura: a força de Mario Vargas Llosa.

Tem coisas nessa vida que realmente nos impressionam. Para sempre! E de muitas que eu já vi, por certo, essa foi uma das mais tocantes, minha gente. Pelo tanto de verdade que ela enseja. Pelo tanto de gratidão que ele teve ao abrir o coração para algo aparentemente singelo.
Quando Vargas Llosa foi receber o Prêmio Nobel de Literatura, vejam vocês, ele começou o discurso assim: “Eu aprendi a ler aos cinco anos, na classe do irmão Justiniano, no Colégio de La Salle, em Cochabamba, na Bolívia. Foi a coisa mais importante da minha vida. Quase 70 anos depois, lembro-me com nitidez como essa magia – transformar as palavras dos livros em imagens – enriqueceu a minha vida, quebrando as barreiras do tempo e do espaço e permitindo-me viajar com o capitão Nemo 20 mil léguas abaixo do nível do mar, lutar junto com d’Artagnan, Athos, Portos e Aramís contra as intrigas que ameaçavam a rainha nos tempos do sinuoso Richelieu, ou arrastar-me pelas entranhas de Paris com o corpo inerte de Marius às costas…”
Meus Deus, que maravilha…
Até hoje, eu tenho gravado na memória o segundo romance dele, intitulado “A casa Verde”, que li quando tinha apenas 17 anos. Depois dele, foi como abrir as comportas e deixar vazar o imenso talento que estava represado.
Abençoado seja, Mário Vargas Llosa!

Vargas Llosa

Literatura: Histórias de Estudantes – Parte 2 /2.

Quase todos os dias eu passava em frente ao prédio dela, com a esperança de poder observá-la na janela. Mas isso nunca acontecia…
Estávamos em 1966 e eu tinha somente 15 anos. Como todo e qualquer adolescente, sonhava com ela dia após dia. Nos meus sonhos, ah, que delícia, ela me oferecia sorrisos, carinho e muita atenção. Porém, pelo visto, isto é algo que acontece somente nos sonhos. O fato é que eu nunca soube o porquê, minha gente. Nunca!
Para início de conversa, esse “sonho” tinha um nome e atendia pelo nome de Isabel. Ela foi a mais linda morena que os meus olhos contemplaram. Mas, para mim, ela sempre se chamou “Belinha”. Céus, onde estará aquela menina? Que rumo terá seguido na vida? Ah, eu daria tudo para ter notícias dela. Quem sabe poder trocar uma prosa, um sorriso ou um simples olhar? Saber se os seus sonhos se realizaram, se a vida foi generosa com ela… essas coisas que o “destino” apronta.
O certo é que Belinha marcou para sempre a minha memória-afetiva, deixando um registro especial, pois desde o dia que bati os olhos nela, confesso, meu coração disparava e as pernas tremiam. Sempre!
Por ironia, quis o destino que esse amor fosse interrompido pelos meus medos. Uma pena, isso sim, porquanto eu era jovem demais para saber lidar com os sonhos. E os sonhos também podem nos assustar. Lamentavelmente. Porquanto o pai de Belinha era um general do exército, da chamada “linha dura” e todas as vezes que o via, eu tremia dos pés à cabeça. E ele, como que adivinhando, olhava-me sempre com suspeição ou “rancor”.
No entanto, eu reconheço: fui erroneamente “bem comportado”. Talvez devesse me rebelar, “romper com o mundo e queimar meus navios”… Porém, não lutei pelo afeto. Simplesmente aceitei o destino como se fosse uma sina. Sendo assim, acabei paralisado diante dos medos. E o que se sabe é que os medos são implacáveis com quem os sente. Sem remorsos ou piedade, os medos arrefecem os sonhos e tomam a desavisada criatura como refém, fazendo dela mais uma vítima. Com profundo lamento, eu declaro: foi o que me ocorreu.
Também é verdade que eu tinha apenas 15 anos e era uma criança cheia de esperanças na vida. Na escola, eu frequentava o grêmio estudantil e me iniciava na luta contra a opressão do regime, a ditadura. Eram tempos difíceis! Havia muito “medo” pairando no ar. Apesar dos inúmeros fantasmas que nos rondavam, aquele período foi muito rico em vivências. Lá, isso foi!
Até que um dia, sem nenhum aviso, Belinha mudou-se de bairro. E eu nunca mais tive notícias dela, apesar das incessantes buscas que empreendi. Sofri muito, é verdade. Chorei por sua ausência e me culpei pela falta de coragem. Meu Deus, por que foi mais fácil lutar por uma causa do que por um afeto?! Por que sempre é mais fácil morrer por uma ideologia do que viver por um grande amor? Por quê?!
Pois é, minha gente. Por aí vocês podem avaliar como demorei a “reencontrar” os meus afetos. Perversamente, eles se extraviaram naquele dia em que abdiquei o amor de Belinha. E o mundo teve que girar um bocado para que eu pudesse ter de volta os meus afetos perdidos. Para tanto, precisei encontrar maravilhosas criaturas no percurso. E elas, ao me ofertarem abraços, foram responsáveis por essa recuperação. De alguma forma, esta crônica é dedicada a todas as pessoas que me estenderam a mão.
Resta dizer que, no fim das contas, a política estudantil pode ter ficado lá para trás, por causa do sucateamento das universidades públicas. Do mesmo modo, também ficaram para trás os amores não correspondidos, já que o tempo, como sabemos, é um esmeril forte e impiedoso. E não poupa ninguém. Hoje, minha gente, eu sei bem disso…

chico